Dicas de Flores
Voltar
Bromélia-vriésia
Nome Popular: bromélia-vriésia, espada-de-fogo, Vriésia, gravatá
Nome Científico: Vriesea sp
Família: Bromeliaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: América Central e do Sul
Ciclo de Vida: Perene
As vriésias são bromélias epífitas ou terrestres, bastante rústicas e que vegetam bem sob sombra moderada. As plantas mais conhecidas deste gênero são em geral pequenas, com folhas macias, brilhantes, verdes ou avermelhadas e sem espinhos, podendo ter listras amarronzadas. As inflorescências variam quanto à forma, podendo ser espigadas, retas e achatadas ou pendentes e delicadas. A cores mais comuns das brácteas e flores são o amarelo, o laranja e o vermelho.Originárias de florestas úmidas, não toleram o sol pleno, o frio e ambientes muito secos. É um dos gêneros mais populares, prestando-se a muitas hibridizações comerciais. Sua floração é muito durável, podendo ser mantida em ambientes internos por longos períodos. Devem ser cultivadas a meia-sombra, em vasos ou jardineiras com misturas apropriadas para epífitas, com materiais como casca e fibra de côco, pedras, areia, musgo, etc. As regas devem ser realizadas sempre que o substrato secar. Multiplica-se por separação das mudas que se formam entorno da planta mãe após a floração, quando estas atingirem 2/3 do tamanho adulto. Comercialmente multiplica-se por sementes
30/07/10 : 21:26

Bougainvillea
Nome Popular: buganvília, buganvile, sempre-lustrosa, santa-rita, ceboleiro, roseiro, roseta, pataguinha, pau-de-roseira, flor-de-papel , Primavera, três-marias
Nome Científico: Bougainvillea glabra
Sinonímia: Bougainvillea glabra var graciliflora
Família: Nyctaginaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Brasil
Ciclo de Vida: Perene
É uma Trepadeira lenhosa, de florescimento abundante e espetacular. Sua folhas são pequenas, lisas, levemente alongadas e brilhantes, diferenciando-a da B. spectabilis. As flores são pequenas e projetadas, de coloração amarelo creme, envolvidas por brácteas róseas. Pode ser conduzida com arbusto, arvoreta, cerca-viva e como trepadeira, enfeitando com majestade pérgolas e caramanchões de estrutura forte.
Devem ser cultivadas em solo fértil, previamente preparado com adubos químicos ou orgânicos, sempre a pleno sol. Oriunda de sul do Brasil, de característica subtropical, ela suporta muito bem o frio e às geadas, vegentando bem em áreas de altitude também. Requer podas de formação e de manutenção anuais, para estimular o florescimento e renovar parte da folhagem. Multiplica-se por sementes, alporquia e estaquia.
30/07/10 : 21:22

Beri-silvestre
Nome Popular: Beri-silvestre, biri-silvestre, bananeirinha
Nome Científico: Canna limbata
Sinonímia: Canna aureo-vitata, Canna indica, Canna patens
Família: Cannaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Brasil
Ciclo de Vida: Perene
O birí-silvestre é uma planta muito rústica, de folhagem ornamental, composta de folhas firmes e grandes. Suas inflorescências são compostas de flores de coloração vermelha e amarela, apresentadas na primavera e verão. Gosta de muita água e por este motivo é comum observá-la em banhados e áreas alagadiças. Sua utilização no paisagismo está ligada a esta característica, locais bastante úmidos a pleno sol, como àreas adjacentes à laguinhos e fontes são os preferidos. Podem formar belos maciços e bordaduras.
Deve ser cultivada em solo rico em matéria orgânica e regada com frequência. É tolerante ao frio. Multiplica-se por sementes e divisão da planta.
30/07/10 : 21:19

Bem-casados
Nome Popular: bem-casados, coroa-de-espinhos, Colchão-de-noiva, coroa-de-cristo, martírios, dois-irmãos
Nome Científico: Euphorbia milii
Sinonímia: Euphorbia splendens
Família: Euphorbiaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Madagascar
Ciclo de Vida: Perene
Excelente para cercas vivas, esta planta além de oferecer proteção, ainda nos presenteia com flores durante o ano todo. Com espinhos abundantes e folhagem verde esta planta pode ser podada para adquirir o formato desejado. Suas flores arredonadas podem ser rosas, vermelhas, brancas ou amarelas. A coroa-de-cristo presta-se como cerca-viva, isolada ou junto ao muro, tornando-se bastante respeitável, inclusive por animais domésticos. Neste sentido, ainda podemos aproveitá-la como bordadura.
Devem ser cultivadas a pleno sol, em solo fértil, com regas periódicas. Deve ser manuseada sempre com luvas grossas e com muito cuidado, pois além dos numerosos espinhos, a coroa-de-cristo apresenta látex tóxico, que pode provocar irritação nos olhos e na pele. Multiplica-se por estacas.
28/07/10 : 23:36

Belas Noites
Nome Popular: belas-noites, jalapa, boa-noite, bonina, maravilha-de-forquilha, batata-de-purga, bela-noite, beijos-de-frade, jalapa-falsa, jalapa-do-mato Maravilha,
Nome Científico: Mirabilis jalapa
Sinonímia: Jalapa congesta, Jalapa officinarum, Jalapa undulata, Mirabilis odorata, Mirabilis dichotoma, Nyctago jalapa,
Família: Nyctaginaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: América Tropical
Ciclo de Vida: Perene
A maravilha é um belo arbusto perene, muito florífero e de raízes tuberosas. Apresenta caule ramificado, ereto e de textura herbácea, com cerca de 70 cm de altura. Suas folhas são lanceoladas, opostas, verdes e com nervuras mais claras. As flores são em forma de trombeta, hermafroditas, solitárias ou em pequenos grupos e apresentam as mais variadas cores, como o amarelo, o rosa e o vermelho, inclusive manchadas e listradas. Elas desabrocham em dias nublados ou à noite e permanecem abertas pela manhã, atraindo insetos, seus polinizadores. A floração ocorre na primavera e verão.
A maravilha é uma planta muito rústica e fácil de cultivar. Presta-se para a formação de maciços, bordaduras e conjuntos, assim como pode ser plantada em vasos, jardineiras e cestas. Apresenta folhagem de aspecto denso e bonito, mesmo que esteja sem flores. As flores acrescentam um colorido vibrante ao jardim e exalam um perfume suave. É habitual plantá-la próximo às portas e janelas. Como é resistente à salinidade, também podemos aproveitar esta florífera em jardins litorâneos.
Deve ser cultivada sob sol pleno, em solo fértil, rico em matéria orgânica, drenável e irrigado regularmente. Apesar de perene, poder ser cultivada como anual em países de clima temperado, já que não suporta o frio intenso. Tolera o frio e a meia-sombra, embora apresente nestas condições a folhagem menos densa e flores mais esparsas. Sua manutenção inclui adubações mensais na primavera e verão. Multiplica-se por sementes e por separação das grossas raízes tuberosas.
28/07/10 : 23:34

Beijo-de-frade
Nome Popular: Beijo-de-frade, bálsamo-de-jardim, não-me-toques, balsamina, ciúmes, maria-sem-vergonha, melindres, papagaios, maravilha, suspiros
Nome Científico: Impatiens balsamina
Sinonímia: Balsamina hortensis
Família: Balsaminaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Ásia
Ciclo de Vida: Anual
O beijo-de-frade é uma florífera de textura herbácea muito popular. Suas folhas são lanceoladas, verdes, com bordos serrilhados. Os caules são suculentos, eretos e ramificados e podem ser verdes ou avermelhados. As flores axilares, são formadas durante todo o ano e podem ser simples, semi-dobradas ou dobradas, de coloração vermelha, creme, laranja, rósea, branca, roxa ou mesclada. Os pequenos frutos são como cápsulas e estouram ao mínimo toque quando maduros, lançando as sementes marrons.
O beijo-de-frade é uma boa escolha para a formação de canteiros, bordaduras e maciços anuais, principalmente quando se deseja flores abundantes. Também pode ser plantada em vasos, jardineiras e cestas suspensas. O beliscamento do ponteiro da planta, quebra a dominância apical e estimula a ramificação. Atrai abelhas e borboletas.
Devem ser cultivadas sob sol pleno ou meia-sombra, em solo fértil, bem drenável, enriquecido com matéria orgânica e com regas regulares. Adubações mensais estimulam uma intensa floração. Adapta-se melhor ao excesso de regas do que à seca. Planta tipicamente tropical, aprecia o calor, mas é tolerante ao frio subtropical ou mediterrâneo. Multiplica-se por estaquia e por sementes, mas plantas mais sadias e bonitas são obtidas de sementes.
28/07/10 : 23:29

Begônia-cerosa
Nome Popular: Begônia-cerosa, begônia-de-jardim, azedinha-do-brejo, begônia
Nome Científico: Begonia semperflorens
Sinonímia: Begonia cucullata, Begonia agrial, Begonia spatulata, Begonia paludicola
Família: Begoniaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Brasil
Ciclo de Vida: Perene
Delicadas e suculentas, as begônias foram melhoradas e saíram dos vasos para invadir os jardins. Atualmente, variedades de flores brancas, rosas e vermelhas e folhas verdes e avermelhadas estão disponíveis no comércio. As begônias parecem são muito floríferas e rústicas e podem compor belos maciços e bordaduras, durante o ano todo. Presta-se para o cultivo em vasos e jardineiras também.
Devem ser cultivadas a pleno sol ou a meia-sombra, em substrato rico em matéria orgânica, com regas regulares. Com o tempo perdem o vigor e precisam ser trocadas anualmente. Multiplicam-se por sementes e estacas
28/07/10 : 23:27

Begônia
Nome Popular: Begônia
Nome Científico: Begonia elatior
Família: Begoniaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: América Tropical
Ciclo de Vida: Perene
Delicadas e suculentas, estas begônias estão entre flores envasadas mais comercializadas no país. Suas folhas são suculentas e com bordas recortadas, verdes ou avermelhadas. As flores são muito vistosas, parecendo rosas pois são dobradas e de cores variadas, entre o branco, o rosa, o amarelo, o salmão e o vermelho, além de tonalidades intermediárias e combinações de cores. As begônias parecem buquês de flores e sua delicadeza a torna própria para o cultivo em vaso, para a decoração de interiores, durante sua floração.
Devem ser cultivadas em ambientes protegidos, em vasos com substrato apropriado, rico em matéria orgânica, com regas regulares. Não tolera o frio ou geadas. Multiplica-se pela divisão da planta.
28/07/10 : 23:19

Barléria
Nome Popular: Barléria, violeta-filipina
Nome Científico: Barleria cristata
Família: Acanthaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: India
Ciclo de Vida: Perene
Flores pequeninas, roxas e delicadas, em forma de trombeta. A barléria é assim! Flores para quase todo o ano, com uma bela folhagem. Deve ser cultivada a pleno sol ou meia-sombra, com solo bem adubado. Não tolera o frio.
Seu esplendor é observado nas épocas mais quentes. Sua utilização no paisagismo é bastante versátil, podendo ser plantada em vasos e bordaduras. Multiplica-se por sementes
28/07/10 : 23:14

Baneneira Ornamental
Nome Popular: Bananeira-ornamental, banana-royal, bananeira-de-jardim
Nome Científico: Musa ornata
Sinonímia: Musa violascens, Musa rosea
Família: Musaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Ásia
Ciclo de Vida: Perene
De aspecto tropical, a bananeira-ornamental, enfeita jardins residenciais e públicos com muito despojamento e beleza. Isolada ou em grupos, deve ser plantada preferencialmente em locais de clima quente. Suas folhas são muito grandes, longas e largas e que se partem com a ação do vento. A inflorescência, formada na primavera e verão, é muito ornamental, apresentando brácteas de coloração rósea, mais vistosos na variedade royal. É muito utilizada como flor-de-corte também.
Deve ser cultivada a pleno sol, em solo fértil e rico em matéria orgânica, irrigado com freqüência. Não é tolerante às geadas e a ventos fortes. Multiplica-se pela divisão do rizoma e de mudas que se formam naturalmente a partir deste.
28/07/10 : 23:14

Primeira Página - 1 - 2 - 3 - Última Página
Parceiros
Busca Rápida
Flores
Ervas Medicinais
Jardim de Inverno
Temperos de Hortas
Previsão do Tempo
Visitas
185712

Desenvolvido por DebugWeb - ©2010 - Todos os direitos reservados. [ restrito ]