Dicas de Flores
Voltar
Dinheiro-em-penca
Nome Popular: Dinheiro-em-penca, dinheirinho, tostão, mosquitinho
Nome Científico: Callisia repens
Família: Commelinaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: América Tropical
Ciclo de Vida: Perene
<Sinonímia: Tradescantia minima, Hapalanthus repens, Spironema robbinsii
Dinheiro-em-penca
Nome Popular: Dinheiro-em-penca, dinheirinho, tostão, mosquitinho
Família: Commelinaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: América Tropical
Ciclo de Vida: Perene
Nome Científico: Callisia repens
Sinonímia: Tradescantia minima, Hapalanthus repens, Spironema robbinsii

O dinheiro-em-penca é uma planta herbácea e rasteira, de pequeno porte, alcançando apenas 5 a 10 cm de altura. Ela apresenta folhagem densa e muito ornamental, formada por caule ramificado, filamentoso e comprido, de coloração arroxeada e numerosas folhas cerosas, delicadas, pequenas e verde-arroxeadas, com a página inferior roxa. As flores do dinheiro-em-penca são brancas e pequenas e de pouca importância ornamental.
O dinheiro-em-penca presta-se principalmente como forração. Sua textura fina e delicada é muito valorizada no paisagismo. Adapta-se em diversos estilos de jardins, e é especialmente indicado seu plantio entre as rochas, em locais úmidos. Também é apropriada para cestas suspensas e jardineiras, de forma que seus ramos pendentes podem ser melhor apreciados. Sua popularização é crescente e diz-se que traz sorte e dinheiro para a pessoa que ganhar um vaso com a muda da planta, de presente.
Deve ser cultivada sob meia-sombra, em solo fértil, leve, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente. Não tolera o frio, ventos fortes ou pisoteio. O cultivo sob sol pleno torna a planta excessivamente avermelhada e queima as folhas. Já sob sombra, ela perde o aspecto denso, crescendo com entrenós mais compridos. Aprecia adubações mensais na primavera e verão. Multiplica-se facilmente por divisão da ramagem enraizada ou estaquia.

30/07/10 : 21:29

Duranta
Nome Popular: Duranta, fruta-de-jacu, durância Violeteira,
Nome Científico: Duranta repens
Família: Verbenaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: América Central e América do Sul
Sinonímia: Duranta plumieri, Duranta erecta
Ciclo de Vida: Perene

A duranta é um arbusto muito florífero, que facilmente atinge o porte arbóreo, entre 3 a 6 metros de altura. Seus ramos são muito ramificados, o que a torna apropriada para a formação de cercas vivas. As folhas da violeteira são pequenas, macias e com os bordos serrilhados; são verdes na espécie típica, mas podem ser variegadas ou douradas, como na variedade pingo-de-ouro.
As inflorescências longas e um tanto pendentes, contém numerosas flores que podem ser de coloração roxa, azul ou branca. A violeteira é uma planta excelente para topiaria, principalmente para os iniciantes, pois apresenta rápido crescimento. Após a floração, que é intensa na primavera e verão, produz frutos esféricos, pequenos e amarelos, muito apreciados por pássaros.
Deve ser cultivada à pleno sol, em solo fértil e enriquecido com matéria orgânica, com regas regulares. Tolera a sombra parcial, mas é sensível à seca. Podas de formação deixam a planta mais compacta e com um formato bonito. Utilize sempre luvas para manipular a violeteira, pois os ramos podem ser espinhentos. Multiplica-se por estaquia e por sementesz`
21/06/10 : 10:06

Dracena-vermelha
Nome Popular: Dracena-vermelha, cordiline, coqueiro-de-vênus
Nome Científico: Cordyline terminalis
Família: Laxmanniaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Índia, Malásia e Polinésia
Sinonímia: Asparagus terminalis, Convallaria fruticosa, Dracaena terminalis, Terminalis fruticosa
Ciclo de Vida: Perene
As dracenas conquistaram os jardins tropicais e hoje podemos encontrar muitas variedades, além da vermelha original. Todas apresentam no entanto folhas grandes, largas e com textura de couro e inflorescência terminal de baixa importância ornamental. Podemos encontrar dracenas vermelhas, arroxeadas, róseas, esbranquiçadas, verdes, variegadas, manchadas e listradas em diversas combinações.maciços, conjuntos e bordaduras no jardim, principalmente junto a muros. Devem ser cultivadas a pleno sol ou meia-sombra, em solo fértil e rico em matéria orgânica. A dracena-vermelha tolera muito bem o frio e multiplica-se por estacas e mais raramente por sementes.
21/06/10 : 10:02

Dracena-de-madagascar
Nome Popular: Dracena-de-madagascar, dracena
Nome Científico: Dracaena marginata
Família: Ruscaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Madagascar
Sinonímia: Dracaena bicolor, Dracaena concinna, Dracaena cincta
A dracena-de-madagascar é uma planta arbustiva, ramificada, de aspecto exótico e escultural, que pode alcançar até 5 metros de altura. Suas folhas são longas, lineares, com cerca de 30 a 90 cm de comprimento e dispostas em roseta no ápice dos ramos. Na planta original as folhas apresentam coloração verde escura com margens vermelhas estreitas.
No entanto, atualmente há muitas variedades hortícolas, com folhas de largura e comprimento diferentes, assim como exemplares tricolores, com listras de coloração branca, creme ou rosada. Os ramos eretos, delgados e tortuosos, podem se tornar bastante espessos com o tempo.
Esta dracena é excelente para interiores, e deve ser colocada em ambientes com boa luminação, além de vasos grandes, que permitam seu desenvolvimento saudável. Seus ramos podem ser tutorados para que fiquem retorcidos, de efeito mais escultural. A manutenção restringe-se à remoção das folhas baixas e velhas, e adubações anuais, além das regas semanais. No paisagismo, destaca-se plantada isolada ou em grupos, em jardins contemporâneos, tropicais e de pedras. O crescimento da planta é de lento a moderado.
Devem ser cultivadas sob sol pleno ou sombra parcial, em solo fértil, leve e enriquecido com matéria orgânica, com irrigações periódicas. Planta tipicamente tropical, não tolera o frio ou ventos fortes. Multiplica-se facilmente por estaquia.
21/06/10 : 09:59

Dracena-malaia
Nome Popular: Pleomele, Dracena-malaia, Pau-d`água
Nome Científico: Dracaena
reflexa
Família: Ruscaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Madagascar e Ilhas Maurício
Sinonímia: Lomatophyllum reflexum, Pleomele reflexa
Ciclo de Vida: Perene
A Dracena-malaia é uma planta arbustiva, de textura semi-lenhosa e amplamente utilizada no paisagismo e na decoração de interiores. Seu caule é ereto, ramificado e atinge uma altura média de 2 a 3 metros, embora possa atingir 6 metros no seu habitat de origem. As folhas são simples, coriáceas, ligeiramente onduladas, de cor verde-oliva escuro, dispostas em espiral ao longo do ramos. Ocorrem ainda outras variedades, com destaque para duas cultivares variegadas: a "Song of India", com folhas de margens cor verde-limão, e a "Song of Jamaica", de margens cor branco-creme. As flores pequenas e brancas surgem no final do inverno reunidas em inflorescências terminais e, assim como os frutos, não têm importância ornamental.
A pleomele é uma planta tropical muito vistosa e de crescimento moderado. No jardim ela pode ser plantada isolada, em grupos ou em renques. Elas são rústicas e quando podadas corretamente podem formar ótimas cercas vivas. Envasadas, elas podem ser utilizadas em ambientes internos, onde são muito apreciadas na decoração por sua beleza e tolerância às condições de baixa luminosidade. No entanto, esta tolerância deve ser sempre testada e é sabido que as pleomeles não variegadas são um pouco mais resistentes que as formas variegadas. Na dúvida o crescimento da planta deve ser monitorado, pois caso ela comece a perder as folhas e estiolar (crescer muito rápido em altura) é sinal de que está faltando luz. A pleomele é uma das plantas recomendadas para purificação do ar em interiores, de acordo com a Plants for Clean Air Council (PCAC), organização que resultou de um projeto de pesquisa originalmente conduzido pela NASA em conjunto com a Associação de Empreiteiros de Paisagismos dos Estados Unidos. A pleomele é considerada eficiente na remoção de compostos tóxicos do ar como formaldeído, benzeno, tolueno, xileno e tricloroetileno. Deve ser cultivada sob sol pleno, meia-sombra ou luz difusa, em solo fértil, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente. A pleomele é tipicamente tropical, apreciando o calor e a umidade. Apesar de crescerem sob sol pleno em regiões subtropicais, elas preferem condições de luz filtrada ou meia-sombra, principalmente quando cultivadas em regiões mais quentes e ensolaradas. Ela deve ser fertilizada quinzenalmente durante a primavera e verão. É sensível ao frio intenso, a geadas e a salinidade de regiões litorâneas; e tolerante a curtos períodos de estiagem. Quando mudada bruscamente de ambiente, ela pode se ressentir, perdendo parte das folhas. Multiplica-se facilmente por estaquia de ramos lenhosos, semi-lenhosos e ponteiros.

_____________________________________________
21/06/10 : 09:55

Dama-da-noite
Nome Popular: Dama-da-noite, flor-da-noite, jasmim-da-noite, rainha-da-noite, coirana, coerana, jasmim-verde
Família: Solanaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: América Tropical
Ciclo de Vida: Perene
Nome Científico: Cestrum nocturnum
Sinonímia: Cestrum leucocarpum, Cestrum parqui
A dama-da-noite é uma planta arbustiva, de textura semi-lenhosa e muito popular devido ao aroma inebriante de suas flores. Ela apresenta caule ereto e ramificado, com ramos sinuosos, a princípio eretos, mas tornam-se pendentes nas pontas. Seu porte é medio, geralmente 1,5 metros, mas pode atingir até 4 metros de altura. Suas folhas são simples, perenes, ovais a lanceoladas, brilhantes, coriáceas e sustentadas por longos pecíolos. As abundantes inflorescências surgem na primavera e verão, carregando numerosas flores tubulares, de coloração creme-esverdeada, que exalam um intenso perfume, principalmente à noite. Os frutinhos que se seguem, são bagas, de coloração branca, translúcidos.
A dama-da-noite é uma planta vigorosa e de rápido crescimento, ela é utilizada geralmente isolada, mas fica bem em pequenos grupos. É uma peça indispensável em jardins aromáticos, "dos sentidos" e borboletários. Pode ser conduzida como arvoreta e trepadeira também, através de podas e tutoramento, perfumando assim calçadas, pátios e cobrindo caramanchões, arcos, treliças, entre outros suportes. Para atenuar-lhe o forte perfume, deve ser plantada à meia-sombra, desta forma sua floração será menos intensa.
Não deve ser utilizada próximo a janelas de dormitórios, principalmente em quartos de pessoas sensíveis e crianças. Diz-se que sua pungente fragrância é uma dos mais fortes entre as plantas; algumas pessoas a acham enjoativa. Suas flores atraem diversas espécies de abelhas, beija-flores e borboletas. Atenção, todas as partes da planta são tóxicas e podem provocar vômitos, irritação das mucosas e alucinações, entre outros sintomas. A dama-da-noite é considerada planta invasiva, principalmente em pastagens.
Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia-sombra, em solo fértil, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente. Não tolera salinidade, geadas fortes ou frio intenso. Também pode ser plantada em vasos, com adubações e regas mais freqüentes. As podas devem ser efetuadas após a floração principal. Multiplica-se por sementes e estaquia dos ramos semi-lenhosos.

____________________________________________________________________
21/06/10 : 09:27

Dicorisandra
Nome Popular: Dicorisandra, marianhinha, cana-de-macaco, gengibre-azul, trapoeraba-azul
Nome Científico: Dichorisandra thyrsiflora
Família: Commelinaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Brasil
Ciclo de Vida: Perene
Dicorisandra
Nome Popular: Dicorisandra, marianhinha, cana-de-macaco, gengibre-azul, trapoeraba-azul
Nome Científico: Dichorisandra thyrsiflora
Família: Commelinaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Brasil
Ciclo de Vida: Perene
Arbusto tipicamente tropical, a dicorisandra apresenta folhas largas, brilhantes e coriáceas, com a nervura central verde-amarelada, com a face inferior arroxeada. É ramificada na base, apresentado ramos eretos. As flores despontam o ano todo, em inflorescências terminais, e são de coloração azul-arroxeada. É uma planta muito rústica e florífera, adequando-se a maciços e conjuntos, em renques junto a muros, assim como planta isolada.
Devem ser cultivadas a pleno sol ou meia-sombra, em solos adubados com matéria orgânica e regados regularmente. Não tolera geadas fortes. Multiplica-se pela divisão da planta, por estaquia e por sementes.

21/06/10 : 09:25

Parceiros
Busca Rápida
Flores
Ervas Medicinais
Jardim de Inverno
Temperos de Hortas
Previsão do Tempo
Visitas
103857

Desenvolvido por DebugWeb - ©2010 - Todos os direitos reservados. [ restrito ]